Saltar para o conteúdo
saude-mental-professores

10 sinais de que a saúde mental dos professores da sua escola precisa de atenção

A saúde mental dos professores piorou no último ano, e isso não é apenas uma constatação perceptível na rotina da sala de aula, é um fato consolidado que faz colocar um holofote sobre o assunto: precisamos cuidar do bem-estar psicológico dos educadores.

Uma pesquisa realizada no último ano, pela Associação Nova Escola e o Instituto Ame Sua Mente, mostra que esse assunto precisa ser tratado de forma ampla e transparente. Abordando questões relevantes com mais de 5 mil professores e gestores do país, o levantamento constatou que o número de educadores que consideram sua saúde mental “ruim” ou “muito ruim” aumentou em relação ao ano passado: de 13,7% para 21,5%.

Sem sombra de dúvidas, essa situação é muito grave, porque acarreta uma série de problemáticas na vida profissional e pessoal dessas pessoas, refletindo na gestão escolar. Por isso, o Edify traz esse tema para ser desmistificado e abre uma espaço aos docentes para discussão.

O que é saúde mental por definição?

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), saúde mental é um estado de bem-estar. Sentindo-se bem, a pessoa é capaz de usar suas próprias habilidades, recuperar-se do estresse rotineiro e ser mais produtiva.

Essa visão macro é válida para todos os campos da vida, mas ainda há especificações sobre o ambiente de trabalho.

O que a OMS diz sobre saúde mental e trabalho?

Segundo a Organização, as situações de competição são as principais causas de estresse associado ao trabalho. Estatísticas apontam que uma a cada cinco pessoas pode sofrer de algum problema de saúde mental devido ao dia a dia da profissão.

Somado a isso, temos, nesse contexto, o fator pandêmico, que mexeu psicologicamente e emocionalmente com o mundo todo, e isso não seria diferente com os profissionais da educação, categoria que sentiu de perto o terror de ter de exercer o ofício mesmo com tantos receios quanto à transmissão e propagação do vírus.

Além de fatores externos e imprevisíveis, como a questão de saúde pública ou de arranjos econômicos, é importante se atentar para que, da porta para dentro, a unidade escolar não se torne um ambiente tóxico ou favoreça o esgotamento mental.

Chefias autoritárias, exigência crescente de produtividade e falta de comunicação aberta e direta são exemplos de cenários que não têm em vista o bem-estar individual dos colaboradores.

Veja, abaixo, quais sinais são um alerta quando o assunto é saúde mental na educação.

Fatos que demonstram a fragilidade da saúde mental dos professores

Ainda de acordo com a pesquisa da Associação Nova Escola, é possível ver diversos reflexos de como a pandemia afetou a vida do educador, além de outros sintomas sinalizados por profissionais da saúde que devem ser um verdadeiro alerta para os gestores:

  1. sentimentos intensos e frequentes de ansiedade;
  2. baixo rendimento;
  3. cansaço excessivo (físico e mental);
  4. sentimento de insuficiência e fracasso;
  5. problemas com sono;
  6. dores de cabeça rotineiras;
  7. problemas gastrointestinais;
  8. dificuldade de socialização e isolamento;
  9. sensação de tristeza e desesperança;
  10. aumento do número de faltas e outros afastamentos, incluindo atividades recreativas ou de lazer.

Como lidar com o tema junto aos educadores

O primeiro passo é tornar o local de trabalho um ambiente seguro para falar sobre o tema. Às vezes, uma simples pergunta como “tudo bem com você?”, de forma franca e afetiva, abre uma porta importante para o diálogo. Diante disso, conheça algumas práticas para tornar mais saudável a relação entre educador e trabalho.

Escuta ativa

Essa ação envolve demonstrações claras de interesse no assunto e, em especial, na pessoa que está como interlocutora. É fundamental não só ouvir, mas também escutar, ou seja, estar à disposição para compreender o outro, evitando julgamentos quanto ao que está sendo abordado.

Uma postura calma, mas interativa, assimilando o que foi dito, é o principal.

Rodas de conversa

Além de um bate-papo individual, é possível realizar diálogos de forma coletiva, promover encontros abertos para tratar do assunto, palestras com profissionais da saúde e mobilizações que vão além dos meses temáticos, como setembro amarelo, para fortalecer o ambiente acolhedor preparado para abordar o assunto.

Informação quebra barreiras

Reportagens, pesquisas, dados e tantas outras coisas se tornam aliadas no processo de desmistificação da saúde mental dos professores. Envie materiais relevantes ou mantenha um mural atualizado com essas informações, fortalecendo que o tema tenha um espaço físico dedicado dentro da unidade escolar.

Estímulo da percepção

Muitos olhos voltados a esse problema, sem dúvida, identificam o esgotamento com maior agilidade. Diante disso, fale com os educadores da sua unidade e promova o cuidado coletivo, para que fiquem atentos uns aos outros, e, ao notar qualquer mudança de comportamento, sinalize pessoas que possam ajudar.

Proposição de ajuda

Toda e qualquer forma de ajuda é importante. Muitas vezes, estar disponível já é o suficiente, além disso, toda forma de facilitar a rotina diária do educador é válida. Inclusão de softwares ou materiais complementares, por exemplo, podem atuar como parceiros dos professores, reduzindo a pressão das produções diárias.

O Edify, quando o assunto é bilinguismo, pensa nessas questões. O Edify Play, por exemplo, é a nossa plataforma acadêmica com atividades complementares para os alunos. Esse produto digital possui conteúdos acadêmicos de alta qualidade para todos os programas (Premium, To hack e Essential) e pode ter o uso em sala de aula, diminuindo a carga docente.

Ainda nessa plataforma, temos o Classware e Teacher’s Guide digital, uma ferramenta de apoio ao professor, bem como todas as atividades planejadas para as primeiras semanas de aula.

Facilidade na rotina e diminuição de situação de estresse

Ainda pensando em otimizar a vida docente e reduzir a carga de estresse, o Edify tem outras diversas ferramentas, além de formações exclusivas para os professores.

O Teacher´s Toolkit é mais um exemplo disso. Trata-se de uma plataforma de planejamento e personalização de aulas alimentada pelos nossos professores para diminuir o tempo e a dificuldade desse processo, que, sem o auxílio dessa ferramenta, pode chegar a 4h ou 5h por semana.

Além do planejamento, a ferramenta conta com um suporte de organização por meio do calendário semanal, de acordo com as turmas, bem como com a gestão do tempo de duração de cada aula, com sugestão de atividades para potencializar e incrementar as tarefas e um portfólio online das aulas criadas pelos professores, para que possam otimizar e reaproveitar conteúdos já criados.

Facilitar a rotina de quem está em contato direto e diário com crianças e adolescentes também é manter a saúde mental como prioridade.

Indicação de especialistas

Apesar de todos os esforços para auxiliar o educador, o fundamental é indicar um profissional para uma possível análise. Somente ele poderá chegar a um diagnóstico e indicar o tratamento mais adequado.

Portanto, agora você já sabe 10 sinais de que a saúde mental dos professores da sua escola precisa de atenção e como trabalhar isso dentro da sua instituição.

Diferencie a sua escola!
Compartilhe esse texto!

Veja textos relacionados:

captacao_de_alunos

Captação de alunos: ferramentas de marketing para escolas

O cenário da educação vem enfrentando diversas mudanças, assim como outros segmentos do mercado (não precisamos repetir aquela história batida da maior empresa de transporte de passageiros do mundo não possuir veículos em sua frota,…

parceria_de_negocios

Parceria de Negócios: Qual a Opinião dos Parceiros do Edify

No mundo empresarial, uma parceria de negócios bem-sucedida vai muito além de uma simples transação comercial; envolve confiança mútua, comprometimento e uma visão compartilhada de sucesso. No caso do Edify, uma empresa focada em soluções…