Saltar para o conteúdo

O mau comportamento em sala de aula e 8 dicas de como remediá-lo

Reza a lenda que o famoso psicólogo behaviorista americano BF Skinner certa vez disse que, se ele tivesse uma criança, ele poderia moldá-la em o que quisesse. Não sabemos ao certo se ele realmente disse isso, mas seu trabalho certamente aponta para essa direção. Skinner, assim como outros behavioristas, estudava o porquê de as pessoas se comportarem de determinada maneira e como certos comportamentos poderiam ser impostos. 

Será que é possível controlar (ou até condicionar) o comportamento do outro? Vamos entender um pouco o que a neurociência e a psicologia podem nos contar sobre isso.

Neuropsicologia do comportamento

Podemos dizer que o cérebro utiliza dois sistemas que orientam nosso comportamento. O primeiro é o que geralmente guia os animais e está relacionado ao que Daniel Kahneman classifica como Pensando Rápido. É a capacidade que nosso cérebro tem de fazer julgamentos rápidos com base em estruturas automatizadas as quais adquirimos ao longo da evolução e por meio do reforço. O segundo sistema é o Pensando Devagar. Este requer um esforço de pensamento e raciocínio. Tem a ver com a parte “racional” de nossos cérebros, particularmente o córtex pré-frontal.

Digamos que você tenha um gato. Um novo elemento que este gato nunca tinha visto antes é introduzido no ambiente. O que acontece? O gato fica incrivelmente desconfiado devido a um instinto que foi “ativado” no seu cérebro. Este é o sistema dominante dos animais porque eles não desenvolveram um córtex sofisticado como nós. Porém, há algo interessante: gatos e humanos são criaturas de hábitos. Mecanismos muito semelhantes são ativados quando fazemos algo por puro hábito. É como um instinto.

Saiba mais sobre os programas Edify!

O que tudo isso tem a ver com o mau comportamento?

Bem, talvez não muito, dependendo da frequência com que o aluno faz isso. Quando perguntei por que os estudantes não se comportam em classe  nas minhas redes sociais, recebi muitas respostas e a maioria delas girou em torno de falta de interesse e tédio, culpa dos pais, problemas em casa, busca de atenção e falta de respeito ou relacionamento com o professor

Mas esse é o caso de estudantes que tem um eventual problema. E aqueles que sempre, ou pelo menos quase sempre, se comportam mal? Isso tem muito a ver com a formação de hábitos. Aquele aluno que tem muitos problemas para permanecer na tarefa pode precisar de atenção especial por causa de TDAH, autismo e / ou dislexia.

Mas essas condições precisam de um diagnóstico adequado e não vou discuti-las agora. Estou me referindo a estudantes que são neurotípicos e ainda não conseguem gerenciar seu comportamento.

O que posso dizer de uma perspectiva neurocientífica? Esse comportamento, ou a falta dele, pode ter se tornado um hábito e eles podem nem saber que estão fazendo isso. Do ponto de vista psicológico, o reforço de certos comportamentos por meio da repetição e da recompensa pode fazer com que eles permaneçam assim e que seja difícil de remediar. 

O que podemos fazer então?

Já ouviu falar de Charles Duhigg e seu livro The Power of Habit – O Poder do Hábito? Nele, Charles descreve um mecanismo bem conhecido na psicologia que se relaciona com a formação de hábitos. É um loop que começa com um GATILHO, nos leva à ROTINA (o próprio hábito), porque isso nos dá uma sensação de RECOMPENSA. Em outras palavras, sempre que o gato vê um objeto estranho (GATILHO), isso ativa o comportamento suspeito / cauteloso (ROTINA) e, por fim, leva à RECOMPENSA (permanecer vivo e sem perigo).

O ciclo do hábito

E o seu aluno mal comportado? Uma maneira possível de ver isso seria assim: O GATILHO é o tédio,  que leva ao mau comportamento com o propósito de ganhar alguns minutos da lição, porque você interrompe o que está fazendo para trazer o aluno de volta à tarefa. Ou talvez o mau comportamento leve o aluno a se divertir um pouco com seus colegas.

Como os entrevistados da minha pesquisa compartilharam gentilmente, pode haver muitos fatores que contribuem para desencadear o mau comportamento. Na verdade, pode estar relacionado a dificuldades de aprendizagem, falta de modelos, impulsividade e todas as outras coisas que eles mencionaram. O que podemos fazer então? Vou compartilhar algumas estratégias abaixo:

  1. Use pausas mentais. Quando eles sabem que haverá uma pausa em todas as lições, eles conseguem gerenciar seu comportamento e isso se torna um hábito. Leia mais sobre isso aqui.
  2. Quebrar um hábito normalmente significa identificar o GATILHO e substituir o COMPORTAMENTO por algo mais útil. Sempre que você sentir que um aluno está prestes a se comportar mal, você pode responsabilizá-lo por algo um pouco mais interessante, como escrever no quadro. Leia sobre diferenciação aqui.
  3. Os alunos que se comportam mal cronicamente podem estar sofrendo da incapacidade de prestar atenção. A meditação consciente pode ser uma aliada nesse caso. Você pode estabelecer alguns minutos em cada aula e guiá-los usando uma técnica de respiração bastante fácil que você pode copiar de um aplicativo chamado Headspace. Novamente, a idéia é fazer disso um hábito.
  4. A reflexão também pode se tornar um hábito. Você já tentou perguntar a aquele aluno que se comporta mal de uma maneira não ameaçadora por que ele faz isso? Peça a ele que pense sobre isso e use o método socrático para fazer mais e mais perguntas para tentar entender o problema e ajudá-lo.
  5. Em vez de focar no GATILHO, você pode focar na RECOMPENSA. Elogios e honestidade podem ser gratificantes se você usá-los  para que os alunos saibam que tipo de comportamento você espera deles. Leia mais sobre RECOMPENSA aqui.
  6. Incorpore MOVIMENTO e ESCOLHA em suas aulas. Muitos de nossos alunos ficam sentados por horas antes das aulas e não aguentam mais. Permita com que eles façam um alongamento ou se levantem e andem um pouco às vezes.
  7. Seja paciente. Quebrar um mau hábito ou desenvolver um novo infelizmente leva tempo. É muito difícil mudar um hábito e requer força de vontade e reforço. Incentive-os a ficar no caminho certo. Leia algo relacionado aqui.
  8. Mantenha suas promessas e responsabilize seus alunos. Se você promete recompensar seus alunos pelo comportamento deles (ou até mesmo puni-los), faça o que disse. Leia sobre a importância das emoções aqui.

Autor: Andre Hedlund

Converse com um dos nossos consultores!
Compartilhe esse texto!
Avatar de Edify Education
Edify Education

O Edify Education está presente em centenas de escolas em todo o Brasil. Com a missão de proporcionar uma educação bilíngue de alta qualidade para todos, nascemos para promover evoluções reais, que refletem no protagonismo de cada aluno na própria jornada de aprendizagem. Nossas soluções nos levou a ganhar vários prêmios, como o 3° lugar no prêmio de votação popular Top Educação 2021 e o 1º lugar no ELTons Innovation Awards.

Veja textos relacionados:

material_didatico_do_edify

Por que o material didático do Edify contribui para diferenciar a sua escola?

Existem alguns fatores que determinam o sucesso da aprendizagem dos alunos, e um deles é, sem dúvidas, um material didático de excelência, que seja moderno, atualizado e composto por recursos que favorecem a aquisição do…

festa_junina_na_escola

Festa junina na escola: como planejar e 9 ideias de atividades

A festa junina é uma tradição brasileira que celebra as festividades do mês de junho, com origens que remontam às festas pagãs e religiosas. Nas escolas, essa celebração se torna uma oportunidade de não apenas…

Conte-nos o que achou sobre o texto!

Deixe um comentário

Seu contato não será exibido!