Saltar para o conteúdo

O inglês e o aluno com necessidade educacional especial

O uso do inglês está cada dia mais presente, tornando-se fundamental para uma participação social em nível global. Desta forma, a língua é um meio de inclusão não somente acadêmico, mas também social.  Para que o aluno com necessidade educacional especial possa obter sucesso em aprender uma segunda língua, é necessário que exista um empenho diferenciado na forma de se ensinar.

Sendo assim, a educação inclusiva necessita de algumas mudanças significativas e trabalhos coletivos para que a inclusão desse aluno na escola seja feita de forma apropriada. 

Converse com um dos nossos consultores!

Como posso estimular o ensino da segunda língua para meu aluno com necessidade educacional especial?

Ao contrário do que muitos pensam, o ensino de uma segunda língua deve ser encorajado como uma forma de ajudar no desenvolvimento do estudante, já que estimula a neuroplasticidade e traz a satisfação em aprender algo novo. Com as adequações e adaptações necessárias, respeitando o nível e o tempo de cada um, é possível obter sucesso ao ensinar inglês para um aluno com necessidades educacionais especiais.

Porém, no mundo acadêmico, pouco é encontrado quanto ao ensino de uma segunda língua para o aluno com necessidades educacionais especiais, mesmo nos dias de hoje. Após muito avanço no exercício do direito à inclusão do aluno com deficiência, ainda existe uma segregação quanto à sua capacidade em aprender um novo idioma. Devemos ressaltar nos debates educacionais que, para que o estudante possa ser incluído de forma íntegra e verdadeira, precisamos pensar em formas de ensiná-lo também a disciplina de inglês, que faz parte da grade curricular do ensino regular.

Após algumas leituras, foi notável que o ensino colaborativo tem sido muito eficaz quando se trata de inclusão. O que caracteriza a perspectiva dessa metodologia é o fato de ter dois professores dentro da sala de aula avaliando e trabalhando com os alunos. Por isso, também podemos nos referir a esta estratégia como co-ensino ou bidocência.

A principal ideia do ensino colaborativo é que, em algum momento, o professor de educação especial possa reger uma atividade coletiva e o professor regular possa acompanhar o aluno deficiente, podendo assim avaliar seus progressos e suas necessidades. 

Quais são os principais entraves desse tipo de ensino?

A maior dificuldade encontrada ao inserir um aluno de inclusão em sala de aula é a necessidade de ter um desenvolvimento individualizado em um contexto coletivo. Mas, vale ressaltar que este atendimento individualizado do aluno deficiente em questões de planejamento e adaptações também favorece o grupo como um todo.

Uma atividade adaptada com o uso de imagens, por exemplo, pode auxiliar também o aluno que estava com dificuldades no assunto, principalmente se tratando de uma segunda língua, em que muitos estudantes sem necessidades educacionais especiais também encontram dificuldades. 

Deve-se ressaltar que nem sempre o professor consegue atender a demanda da sala toda em conjunto com o aluno deficiente e sem o apoio de um mediador. Isso pode atrapalhar o seu trabalho e prejudicar o desenvolvimento da turma.

A ideia de individualização tem como proposta adaptar o ensino de forma com que o aluno possa também vivenciar o que os demais alunos experienciam, mas da forma mais adequada para ele. É importante mencionar que o professor de educação especial deve circular por toda a sala e interagir com toda a turma, não demonstrando exclusividade do aluno deficiente, para que isso não acabe gerando uma exclusão dele.

Trabalhos feitos em duplas também são uma saída interessante, pois incentivam a autonomia e socialização dos alunos de forma ampla, trazendo assim uma forma inclusiva dos alunos trabalharem e neste momento os professores podem avaliar outras questões além do conteúdo proposto.

É notável que existe uma preocupação quanto à inclusão do aluno com deficiência, mas na nossa realidade educacional atual, o ensino da língua inglesa para esse estudante não é considerado uma prioridade. Nesse contexto, é preciso investir na utilização de metodologias apropriadas para que se alcance um resultado positivo em seu aprendizado.  

Flavia Liliane Rubin

Saiba mais sobre os programas Edify!
Compartilhe esse texto!
Avatar de Edify Education
Edify Education

O Edify Education está presente em centenas de escolas em todo o Brasil. Com a missão de proporcionar uma educação bilíngue de alta qualidade para todos, nascemos para promover evoluções reais, que refletem no protagonismo de cada aluno na própria jornada de aprendizagem. Nossas soluções nos levou a ganhar vários prêmios, como o 3° lugar no prêmio de votação popular Top Educação 2021 e o 1º lugar no ELTons Innovation Awards.

Veja textos relacionados:

lingua_estrangeira

Língua Estrangeira: Conceito e Importância

Vivemos em um mundo superconectado, em que saber mais de um idioma é quase como ter um superpoder. Aprender uma língua estrangeira não só abre portas para novas oportunidades, mas também enriquece a nossa vida…

globalizacao

Globalização: o que é, origem e impactos

Na era atual, o termo “globalização” é onipresente, mas o que realmente significa? De onde surgiu e como tem moldado nossa sociedade? Este artigo explora essas questões fundamentais e mergulha nos impactos que a globalização…

Conte-nos o que achou sobre o texto!

Deixe um comentário

Seu contato não será exibido!