Saltar para o conteúdo
futuro_aprendizagem

The Future of Learning | O futuro da aprendizagem

Como a tecnologia está transformando a forma como aprendemos?

Podemos dizer que essa pergunta foi a grande norteadora das conversas a respeito do futuro da educação e da aprendizagem que aconteceram entre os dias 1 e 4 de novembro no Web Summit Lisboa – um dos maiores eventos de inovação e tecnologia do mundo. 

Um primeiro painel sobre o assunto contou com a presença de João Costa, Ministro da Educação de Portugal e Felix Ohswald, Co-Fundador & CEO da GoStudent, enquanto no segundo painel ouvimos os insights de Joshua Wöhle, CEO da Mindstone.

Continue a leitura e confira os 4 principais aprendizados sobre como a tecnologia está transformando a forma como aprendemos.

4 insights sobre como a tecnologia está transformando a forma como aprendemos

Foi interessante observar as diferentes perspectivas sobre um mesmo assunto. O Ministro João Costa falou sobre as reformas na educação em Portugal e como a tecnologia pode e deve impulsionar a aprendizagem dentro de um contexto de sala de aula.

Já o co-fundador e CEO da GoStudent reforçou a missão da empresa que consiste em dar fácil acesso a professores de qualidade para alunos ao redor do mundo, principalmente em um momento em que estamos enfrentando globalmente uma redução na quantidade de professores.

E, por fim, o CEO da Mindstone nos fez refletir sobre como consumimos informação e quais as habilidades necessárias para estarmos constantemente aprendendo e nos atualizando.

Ao criar pontes entre os discursos, foi possível concluir alguns pontos:

1. Não vamos deixar de ter professores e salas de aula com a evolução da tecnologia, mas precisamos repensar a forma como o conteúdo chega e é absorvido pelos nossos alunos.

Nas palavras do Ministro João Costa, “Educação é sobre conexões humanas” e, portanto, a figura do professor e o contexto de sala de aula continuam sendo importantes para que os alunos desenvolvam habilidades de relacionamento e de socialização. No entanto, com o avanço da tecnologia, não precisamos – e nem devemos – manter os moldes que já conhecemos, mas sim criar um ambiente propício ao desenvolvimento da autonomia dos alunos para prepará-los para o futuro.

2. Surge então a necessidade de desenvolver habilidades que amplifiquem a capacidade de filtrar e absorver informação, além da possibilidade de estar em constante adaptação.

Houve um momento em que o desafio da educação era o acesso à informação e que a mesma se concentrava apenas em algumas figuras “detentoras do conhecimento”. Hoje esse problema foi solucionado – o que falta não é informação, mas as habilidades para saber qual informação importa, qual é relevante e verdadeira, e como usá-la para seu próprio desenvolvimento. 

Saber resolver problemas, ter pensamento crítico e criativo, autonomia e empatia são apenas algumas dessas habilidades que ajudam a navegar por um mundo incerto em que um conhecimento relevante hoje, talvez já não tenha mais o mesmo peso amanhã. Não à toa, o Governo de Portugal as incluiu como parte relevante do pilar “sucesso” em seu novo currículo.

Um dado trazido por Joshua Wöhle que chamou a atenção foi que 50% das pessoas que estão no mercado de trabalho hoje terão que desenvolver novas habilidades (“re-skill”) até 2025. Por isso a importância não de adquirir determinadas “hard skills” que rapidamente poderão ficar obsoletas, mas de aprender a aprender, para estar em constante evolução e adaptação.

3. Mas para que tudo isso seja possível, precisamos também pensar, mais do que nunca, na capacitação dos professores.

De um lado, fica claro que é preciso que os professores desenvolvam habilidades digitais para saberem não apenas lidar com tecnologia em si, mas usá-la a favor do aprendizado dos alunos. 

De outro, ao falar em novas habilidades para o futuro, é necessário que os professores também sejam instrumentalizados para que possam ajudar os alunos a desenvolvê-las. A educação não deve mais ser apenas sobre ter e dar acesso à informação, conteúdo e habilidades específicas (hard skills), mas sim àquelas comportamentais (soft skills) que contribuirão para a constante adaptação que o mundo atual já exige. Outro dado interessante é que 80% das carreiras do futuro ainda não existem hoje. Portanto, fica a reflexão: o que parece ser mais importante, que os professores ajudem os alunos a desenvolver sólidos conhecimentos específicos ou a serem capazes de estar sempre em transformação?

4. Por fim, a tecnologia pode e deve ser um instrumento para inclusão e redução das desigualdades.

Quando questionado sobre o papel das edtechs, o CEO da Mindstone foi claro: elas vêm para diminuir as desigualdades. Se o problema não é mais o acesso à informação, como falado anteriormente, então se faz necessário pensar sobre como a tecnologia pode facilitar que o conteúdo seja absorvido de forma a criar novas oportunidades para todos.

O Ministro da Educação, João Costa, trouxe uma perspectiva similar. De acordo com ele, “o maior objetivo da educação é promover equidade” e a tecnologia vem para apoiar a inclusão. É preciso que diferentes alunos em uma mesma sala sejam capazes de seguir caminhos adaptados para cada um, caso contrário “estaremos falhando a nossa missão”.

Como atores da educação, os palestrantes têm a consciência de que o grande foco deve estar em formar cidadãos para o hoje e para o futuro, capazes de trabalhar em conjunto sempre em prol de um objetivo comum.

Agora que você já sabe como a tecnologia está transformando o futuro da aprendizagem, não deixe de conhecer o Edify e saber como podemos ajudar a sua escola a formar cidadãos do futuro por meio do bilinguismo e da tecnologia.

Autor: Bia Negri, Academic & Educational Insights no Edify

Diferencie a sua escola!
Compartilhe esse texto!

Veja textos relacionados:

captacao_de_alunos

Captação de alunos: ferramentas de marketing para escolas

O cenário da educação vem enfrentando diversas mudanças, assim como outros segmentos do mercado (não precisamos repetir aquela história batida da maior empresa de transporte de passageiros do mundo não possuir veículos em sua frota,…

parceria_de_negocios

Parceria de Negócios: Qual a Opinião dos Parceiros do Edify

No mundo empresarial, uma parceria de negócios bem-sucedida vai muito além de uma simples transação comercial; envolve confiança mútua, comprometimento e uma visão compartilhada de sucesso. No caso do Edify, uma empresa focada em soluções…