Saltar para o conteúdo
4 pessoas conversando e demonstrando a importância da oralidade

A importância da oralidade no contexto bilíngue

No Edify, nos situamos no modelo dinâmico de bilinguismo descrito por Ofélia Garcia (2009), onde o indivíduo é considerado em sua integralidade e o bilinguismo é visto como um recurso. O processamento de duas ou mais línguas passa por diferentes estágios, transpondo o indivíduo monolíngue à condição de bilíngue emergente. Seu repertório linguístico lhe possibilita mover-se entre as diferentes práticas discursivas e sociais das diferentes línguas.  Neste artigo, iremos abordar a importância do desenvolvimento da oralidade para alunos em contextos de educação bilíngue.

Oralidade

A oralidade é um fenômeno complexo que abarca múltiplas dimensões

  1. Linguística: escolha apropriada de vocabulário, utilização de estruturas gramaticais de acordo com as funções de linguagem intencionadas e registro apropriado ao contexto;
  2. Física: fluência, inteligibilidade de pronúncia, clareza e projeção da voz;
  3. Cognitiva: raciocínio, argumentação, intencionalidade, gerenciamento da fala, pensamento crítico;
  4. Sócio-emocional:  confiança, atitude, escuta ativa, consciência do interlocutor.

Além disso, quando indivíduos se expressam oralmente, a escolha de seu discurso e formas de expressão é ditada pelo contexto situacional e a intenção comunicativa. Para o desenvolvimento da oralidade, bilíngues emergentes necessitam de muita exposição à língua adicional e oportunidades de práticas interacionais e sociais, experiências e vivências.

Saiba mais sobre os programas Edify!

O desafio da oralidade na sala de aula

O desenvolvimento da oralidade em contexto escolar apresenta múltiplos desafios. Em primeiro lugar, há questões emocionais que geram ansiedade nos estudantes. Segundo Krashen (1982), filtros afetivos como motivação e autoconfiança impactam a aquisição de uma língua adicional. Vários estudantes não se sentem confortáveis com a exposição em público, porque estão preocupados em cometer erros, receber críticas ou ainda não desenvolveram estratégias comunicativas que permitam uma interação fluida.

O conhecimento limitado de vocabulário em relação a um conteúdo específico também pode ter impacto direto na produção oral dos alunos, uma vez que eles não conseguem se expressar, mesmo tendo ideias sobre o tema. Por exemplo, se os alunos ainda não foram expostos ao vocabulário específico de geometria, não poderão falar sobre diferentes tipos de triângulos e suas particularidades. Como resultado, alunos hesitam em participar de atividades orais e podem se tornar passivos em sala de aula.

Dentro do contexto escolar, muitas vezes há pouco espaço para o trabalho com diferentes gêneros da língua falada. Para que os alunos possam produzir oralmente, primeiramente eles necessitam de exposição à língua falada. Atividades guiadas de compreensão auditiva  e recursos  autênticos como vídeos, podcasts, músicas etc., apoiam essa exposição. Também é comum casos onde professores tendem a privilegiar aspectos formais da língua como gramática, sem oferecer oportunidades orais, práticas sociais e vivências na língua adicional.  Tudo isso pode resultar num fraco desenvolvimento da oralidade.

O papel do professor

Os professores desempenham um papel importante para  o desenvolvimento da oralidade dos alunos. Primeiramente, é essencial que  o educador estabeleça um ambiente de aprendizagem amigável e seguro onde os alunos não tenham medo de cometer erros, assim como  proporcionar oportunidades para desenvolvimento da oralidade, por meio do planejamento de atividades que tenham objetivos claros e foquem não somente a acurácia, mas também a fluência e intenção comunicativa.

Em segundo lugar, o aluno precisa desenvolver habilidades básicas de comunicação interpessoal (fluência de conversação) e dominar os recursos linguísticos necessários para falar sobre um determinado assunto ou matéria (proficiência acadêmica), conforme descrito por Jim Cummins (1999). O professor deve atuar como um facilitador e monitor desse processo, utilizando frames de comunicação, apresentando e reforçando expressões, vocabulário e colocações linguísticas referente ao tema específico, bem como provendo arcabouços (scaffolding), para equipar o aluno para atividades e tarefas comunicativas com foco em oralidade.

Em seu papel como monitor, o professor também necessita estar atento à produção oral de seus alunos e oferecer feedback contínuo e construtivo para que os mesmos possam expandir sua produção oral e se sintam cada vez mais confortáveis e seguros para se expressarem oralmente. Nesse monitoramento, o professor pode também tirar proveito de oportunidades para expansão linguística baseada na língua emergente durante atividades.

A importância da avaliação da oralidade

Para apoiar o aprimoramento da oralidade, é essencial que professores coletem evidências sobre as habilidades comunicativas de seus alunos. A avaliação formativa adequa-se a esse propósito pois possibilita que professores utilizem os dados coletados por meio de instrumentos avaliativos para atuar sobre os objetivos de oralidade em desenvolvimento.  É a avaliação para o aprendizado. Atividades avaliativas orais que deem escolha e voz aos alunos e que sejam significativas proporcionam propósito e relevância aos alunos. Para tal, é essencial a seleção de contextos autênticos de uso de linguagem que refletem interações reais.

Paralelamente, o uso de rubricas de avaliação é uma ferramenta eficaz para a avaliação e desenvolvimento da oralidade. Primeiramente deve-se definir os critérios de avaliação oral e expectativas sobre marcos de sucesso. Uma vez que as rubricas estejam definidas, os professores podem compartilhar as mesmas com seus alunos. Esse processo alinha expectativas e direciona os alunos na preparação para o evento avaliativo. Além da avaliação pelos professores, os alunos também podem se auto-avaliar após suas apresentações ou avaliar seus pares. Esses múltiplos olhares sobre a produção de alunos enriquecem o momento de feedback e promovem um ambiente de colaboração e confiança, diminuindo a ansiedade.

Por fim, o feedback deve sempre gerar ações para o aprimoramento da oralidade. Hattie (2009) indica que seu propósito é diminuir a discrepância entre o desempenho atual e os objetivos desejados. Para tal, professores e alunos devem refletir e discutir os objetivos de desempenho (rubricas de avaliação), as evidências de desempenho coletadas e ações futuras que irão apoiar os alunos e promover uma sensação de progresso.

Autores: Cristiane Corsetti e Flávia Villela

Referências bibliográficas

• CUMMINS, Jim. “BICS and CALP: Clarifying the Distinction.” 1999.

• GARCIA, Ofélia. Bilingual Education in the 21st Century: A Global Perspective. Nova Jersey: Blackwell, 2009. 

• HATTIE, John. Visible Learning: A synthesis of over 800-meta-analyses relating to achievement. New York: Routledge, 2009.

• KRASHEN, Stephan. Princípios e práticas na aquisição da segunda língua. Oxford: Pergamon Press. 1982 

•  The Oracy Skills Framework and Glossary. University of Cambridge, Faculty of Education, 2020.Disponível em: <https://oracycambridge.org/wp-content/uploads/2020/06/The-Oracy-Skills-Framework-and-Glossary.pdf> Acesso em 10 junho 2021.

Compartilhe esse texto!
Avatar de Edify Education
Edify Education

O Edify Education está presente em centenas de escolas em todo o Brasil. Com a missão de proporcionar uma educação bilíngue de alta qualidade para todos, nascemos para promover evoluções reais, que refletem no protagonismo de cada aluno na própria jornada de aprendizagem. Nossas soluções nos levou a ganhar vários prêmios, como o 3° lugar no prêmio de votação popular Top Educação 2021 e o 1º lugar no ELTons Innovation Awards.

Veja textos relacionados:

lingua_estrangeira

Língua Estrangeira: Conceito e Importância

Vivemos em um mundo superconectado, em que saber mais de um idioma é quase como ter um superpoder. Aprender uma língua estrangeira não só abre portas para novas oportunidades, mas também enriquece a nossa vida…

globalizacao

Globalização: o que é, origem e impactos

Na era atual, o termo “globalização” é onipresente, mas o que realmente significa? De onde surgiu e como tem moldado nossa sociedade? Este artigo explora essas questões fundamentais e mergulha nos impactos que a globalização…

Conte-nos o que achou sobre o texto!

Deixe um comentário

Seu contato não será exibido!